Lisboa vai acolher um dos maiores eventos de tecnologia da Europa

Web Summit reuniu 22 mil pessoas em Dublin no ano passado.

websumit_lisboa,

Lisboa venceu a candidatura para organizar as edições de 2016, 2017 e 2018 da Web Summit, uma das mais importantes conferências de tecnologia e empreendedorismo da Europa. O anúncio foi feito nesta quarta-feira pelo Governo, numa cerimónia em Lisboa com o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, e o fundador do evento, o irlandês Paddy Cosgrave.

Cosgrave (de t-shirt e calças de ganga a contrastar com as gravatas dos representantes das instituições portuguesas) elogiou “a comunidade de startups” de Lisboa. “Os investidores na Europa começaram a capitalizar as rendas baixas e o talento” da cidade, afirmou.

O apoio público ao evento, explicou por seu lado Paulo Portas, é de 1,3 milhões de euros. “É uma grande oportunidade para melhorarmos muito mais o ecossistema tecnológico português”, disse o governante. Aquele dinheiro será usado para melhorar os sistemas de ligação à Internet na Feira Internacional de Lisboa, onde a conferência vai decorrer, para apoiar a cobertura de imprensa interncaional e para ajudar empresas mais pequenas a participar, exemplificou depois o secretário de Estado da Economia, Leonardo Mathias.

A capital portuguesa disputou a organização com cidades como Paris e Amesterdão. Entre os factores analisados para decidir o local de uma edição estão a capacidade de alojamento, a qualidade das infra-estruturas para o evento e a ligação da cidade ao ecossistema de empreendedorismo.

Os milhares de participantes da conferência terão um peso significativo no sector turístico de Lisboa. No ano passado, a conferência reuniu 22 mil pessoas na capital irlandesa. Por comparação, em Julho, o sector hoteleiro da área metropolitana de Lisboa registou uma média de 42 mil dormidas diárias, segundo os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística.

Na edição de 2015 são esperadas 4500 startups, 12 das quais portuguesas, e 30 mil participantes. Ao PÚBLICO, Cosgrave explicou que Dublin não tem estruturas para organizar um evento de grandes dimensões e que começou por isso à procura de uma cidade para acolher a Web Summit durante três anos, pelo menos.

A Web Summit realiza-se desde 2010 na capital irlandesa e tornou-se um evento de grande dimensão no circuito mundial de conferências de tecnologia. Na edição deste ano, que decorre de 3 a 5 de Novembro, vão participar o presidente dos estúdios de animação Pixar, Ed Catmull; o director de tecnologia do Facebook, Mike Schroepfer; e um dos fundadores do Instagram, Mike Kriege. Noutras edições já estiveram Elon Musk (o empresário americano co-fundador do PayPal e dos automóveis Tesla), Niklas Zennström (o sueco que co-fundou o Skype) e Bono, o vocalista dos U2.

Do evento faz ainda parte um concurso de startups. Em 2014, a Codacy, uma empresa criada em Portugal, foi uma das vencedoras. Desenvolve e comercializa um serviço que analisa automaticamente código informático em busca de falhas.

A Web Summit tem também uma aplicação que indica a cada participante quais as pessoas que este terá mais interesse em conhecer. “Tipicamente, é por isso que se vai a uma conferência”, observou Paddy Cosgrave, que explicou que o software analisa a informação cedida por cada utilizador (o que pode incluir a presença nas redes sociais) para relacionar pessoas, de uma forma semelhante ao que o Twitter e o Facebook, por exemplo.

O anúncio de que Lisboa estava a disputar com outras cidades a organização da conferência tinha sido feito pelo Governo no final de Agosto.

Notícia actualizada: acrescentado que Lisboa vai também acolher as edições de 2017 e 2018 do evento.

Fonte: Público

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.