Portugal esteve 4 dias apenas a consumir energia renovável

Portugal também investiu na sua rede de energias renováveis e segundo parece, está já a tirar proveito da infraestrutura criada.

Na semana passada, Portugal atingiu um marco importante no seu esforço contínuo para deslocar o consumo de energia para as energias renováveis. O país conseguiu, durante 4 dias, apenas depender energeticamente da energia que produziu de forma limpa, sem ter que recorrer a combustíveis fósseis

energias renováveis

Portugal, no final dos anos 80, construiu uma enorme plataforma de produção de energia, onde o combustível de eleição era o carvão. A Central Termoeléctrica de Sines, da EDP, seria duas décadas mais tarde classificada pela WWF como uma das mais poluentes da Europa, colocando Portugal num dos países mais poluentes da Europa, ocupando o 27º lugar entre as 30 mais poluentes do velho continente, no ranking da “Europe’s Dirty 30”.

Europe’s Dirty 30

Actualmente, a situação está completamente modificada, após vários anos de investimento, quer na rede de energia eólica, quer na solar, quer nas linhas de produção de energia hídrica.

4 dias a consumir energias não poluidoras

Durante quatro dias inteiros, Portugal produziu energia suficiente, limpa e sustentável, para atender às necessidades da população. Isso é graças a um grande impulso no investimento em captação da energia solar, eólica e energia hidroeléctrica e um empurrãozinho da UE – que emitiu uma directiva afirmando que um país membro precisa de ter pelo menos 31% de fontes de energia renováveis.

Segundo informações, o consumo de electricidade foi “assegurado integralmente” por fontes renováveis, entre as 06:45 do dia 07 de Maio e as 17:45 da passada quarta-feira, correspondendo a um total de 107 horas seguidas, durante o qual o país não teve de olhar para o carvão ou gás natural para alimentar a rede eléctrica.

APREN

A Associação Sistema Terrestre Sustentável (ZERO), em colaboração com a Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN), analisou os dados da Rede Elétrica Nacional (REN), tendo concluído que na última semana “se atingiu um recorde muito importante neste século”.

Não foi preciso recorrer a nenhuma fonte de produção de eletricidade não renovável, em particular à produção em centrais térmicas a carvão ou a gás natural

Explicam em comunicado, durante o período.

As apreciações da associação vão ainda mais longe, pois estes dados mostram que “Portugal pode ser mais ambicioso” numa transição para um consumo líquido de energia elétrica 100% renovável, trazendo grandes reduções das emissões de gases com efeito de estufa, causadoras do aquecimento global e das consequentes alterações climáticas.

Se chuva e vento permitem estes recordes na primavera, torna-se imperioso fomentar e avaliar as mais-valias do aproveitamento da energia do sol e, assim, assegurar que no verão também venhamos a ter contribuições significativas de fontes de energia não emissoras de gases poluentes

Referem os responsáveis da associação ambientalista.

Estes valores permitem concluir, conforme adianta a Zero, que as fontes de produção de eletricidade renovável e a capacidade de gestão da rede elétrica portuguesa “ultrapassaram uma difícil prova num contexto de diminutas interligações, principalmente entre Espanha e França”, conseguindo que as necessidades do consumo do país tivessem sido asseguradas a 100% a partir de fontes de produção de origem renovável.

ZERO

Fonte: pplware

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.